Comércio Exterior

Saiba como montar um Plano de Exportação para a sua empresa

Avatar
Escrito por Conteflex

Empresas que desejam alavancar suas vendas e, consequentemente, ampliar suas operações têm na exportação uma excelente oportunidade, especialmente com o dólar e euro valorizados.

Além da questão da moeda, o tamanho do mercado consumidor final também torna essa opção atrativa, como em negociações com China, Índia e outros países com grandes populações. Todavia, atuar com comércio exterior possui desafios específicos, os quais tornam a elaboração e estruturação de um plano de exportação essencial para o êxito desse empreendimento.

Quer saber como planejar e desenvolver um? Continue lendo e acompanhe nossas dicas!

O que a sua empresa precisa fazer para começar a exportar?

Para começar a exportar, a empresa precisa atender a alguns requisitos básicos, como se comunicar bem com os compradores do país para onde exportará, ou seja, dominar bem o idioma local ou ao menos o inglês. Obter certificações de qualidade para seus produtos também é vital, caso deseje maior aceitação em alguns mercados, como em algumas regiões da Europa, onde níveis de excelência costumam ser valorizados.

Também é importante ter algum diferencial para seu produto concorrer com os do mercado interno do país, nem que seja preço (embora só isso nem sempre seja suficiente).

É preciso se inscrever no Registro de Exportadores e Importadores (REI) da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), o que é feito automaticamente na primeira operação de exportação (Registro de Crédito — RC — ou Registro de Exportação — RE) em um ponto ligado ao Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX).

Existem casos em que não se faz necessário o registro, portanto, verifique quais as normas de isenção e se sua situação se enquadra nelas.

Qual a importância da etapa de planejamento?

É na etapa do planejamento que os gestores identificarão desafios, oportunidades, necessidades e exigências vinculadas à exportação, bem como os pontos fortes e fracos de seus produtos e serviços. Para montar um plano de exportação, é preciso observar itens como:

Regulamentação e tributos

É vital ter bom entendimento das normas fiscais dos países com os quais se fará negócio, além de identificar corretamente quais tributos e taxas internacionais e nacionais devem ser pagos. Também é importante pesquisar se existem acordos entre o Brasil e os países desejados para se exportar, pois, desse modo, será possível descobrir se há isenções, benefícios fiscais e outros tipos de vantagens para os produtos brasileiros.

A regulamentação do país também deve ser observada, especialmente em relação a normas técnicas e níveis de qualidade aceitos para os produtos. Por exemplo, existem nações que costumam suspender a importação de carnes ao menor sinal de descumprimento dos padrões exigidos. Para voltar a comercializar, geralmente é preciso obedecer uma série de passos e provar aos inspetores dessas regiões a boa qualidade dos produtos.

Necessidades e recursos internos da empresa

É necessário levantar quais recursos internos da empresa poderão ser utilizados para suportar o processo de exportação, como maquinário, mão de obra e tempo.  

Por exemplo, é preciso verificar se as máquinas conseguem dar conta de um aumento nas vendas, se há capital de giro para sustentar a exportação pelo menos no começo ou se sua equipe é capaz de trabalhar adequadamente nesse novo cenário. Nesse último caso, você provavelmente precisará investir em treinamento e recrutamento de colaboradores capacitados para atuarem com comércio exterior.

Logística

A área de logística da empresa será uma das mais impactadas pela exportação, de modo que é preciso se atentar a pontos como:

  • modalidade de transporte até o país destino, se marítimo, aéreo ou terrestre. Cada um desses implicará processos logísticos diferenciados, bem como regulamentações e exigências específicas;

  • entrega dos produtos no país de destino, se a empresa contratará uma parceira para fazer os envios dos itens até o cliente, já em solo internacional ou se abrirá um escritório/filial para receber e reencaminhar os produtos;

  • a importância da escolha de embalagens adequadas para exportação, pois trajetos longos trazem mais riscos aos produtos. Nesse caso, uma dica é optar pelos contentores flexíveis (big bags) para evitar danos nas mercadorias.

Plano de marketing e vendas

Deve constar no Plano de Exportação as táticas e estratégias de marketing e vendas para o país escolhido, pois é preciso divulgar os produtos conforme as peculiaridades culturais e de comportamento dessa região. Ou seja, as ações que são aplicadas aqui podem não funcionar lá, necessitando de pesquisa e estudo para se delimitar as melhores estratégias de marketing para exportação.

Expandir seus destinos de entrega para o mercado internacional pode ajudar a empresa a potencializar seus resultados, elevando vendas e até utilizando toda a sua capacidade de produção. Porém, não se deve descuidar do plano de exportação mesmo quando já se está exportando, pois ele também deve trazer orientações para readequar processos que não deram certo e orientar como resolver problemas relacionados ao tema.

Ficou com alguma dúvida sobre como montar um Plano de Exportação? Compartilhe conosco nos comentários!

Sobre o autor

Avatar

Conteflex

A Conteflex é ,hoje, uma das maiores e mais respeitadas empresas do setor de produção de Big Bags do país. Com aproximadamente 1325 funcionários, representantes espalhados em todo Brasil que atuam em diversos mercados como: alimentício, fertilizante, minério, petroquímico, açúcar e outros, sendo reconhecida pela qualidade de seus produtos, sistema de gestão integrado, atendimento personalizado e excelente quadro de colaboradores.

Deixar comentário.

Share This